top of page
  • Foto do escritorLuiz Ottoni

O Translado da Família Real

Atualizado: 25 de abr. de 2022

Em 1804, Napoleão Bonaparte chocou grande parte da Europa no ato da sua auto coroação como Imperador dos Franceses. A ação simbólica de remover a coroa da mão do Papa e coroar a si mesmo e a sua esposa, demonstrou audácia, egocentrismo e uma profunda rivalidade do novo imperador com um dos maiores símbolos do Antigo Regime. Era fato que desde a Revolução Francesa a Europa estava mudando. O mundo, como era conhecido, não seria mais o mesmo. A velha Europa estava atrelada ao que se chamava de “Antigo Regime”, ou na palavra de seus detratores, absolutismo.


Este Absolutismo seria suplantado por uma nova experiência política baseada nas ideias de autores iluministas e românticos, como Jean Jacque Rousseau, Voltaire, Mably, Raynal, Ossian e vários outros que tornaram-se verdadeiros ídolos para a geração de Napoleão Bonaparte, o que incluía ele próprio. Essa Nova Experiência comporia o novo regime que teria agora como missão estipar da face da terra o Antigo, representado principalmente pelas monarquias e pela igreja. Daí vem a perseguição promovida pela Revolução Francesa a essas duas esferas do Estado. Napoleão sempre se posicionou como um continuador da Revolução por outros meios. Em sua juventude, lutou pelo exército revolucionário e concordava com as aspirações da nova ordem política. Por isso, ao se tornar imperador, entrou em guerra com a maior parte das monarquias europeias. A coroa que mais gerou resistência à França foi a inglesa. Não poderia ser diferente, o país era a maior potência do mundo e tinha uma severa influência no continente. Além do mais, França e Inglaterra eram inimigas históricas.


Como a Inglaterra é uma ilha, grande parte dos seus investimentos militares iam para a marinha. Era conhecida a frota naval britânica e todos sabiam da sua capacidade de botar medo em qualquer país. Porém, as tropas de Bonaparte ganhavam destaque pela ação em solo, com uma capacidade de surpreender seus inimigos pela velocidade e estratégias criativas. Assim sendo, a força desses dois inimigos estavam em terrenos diferentes. Sem conseguir combater a Inglaterra no mar, Napoleão teve que pensar em outro modo de atingir a Ilha e daí surgiu a estratégia do Bloqueio Continental.


O que foi o Bloqueio Continental?

O Bloqueio Continental foi uma estratégia adotada por Napoleão em 1806 que consistia em impedir que os países do continente mantivessem relações comerciais ou militares com a Inglaterra através de ameaças de sanções e até de conquista. Ou seja, aqueles países que mantivessem relações de amizade com a Inglaterra seriam considerados inimigos da França.


Desenho ilustrando o Bloqueio Continental de 1806
Desenho ilustrando o Bloqueio Continental de 1806

Esse foi um gigantesco problema para Portugal, já que a sua relação com o governo inglês era extremamente próxima. Era o maior parceiro econômico do Império e tinha uma histórica relação diplomática com os reis portugueses.


Para piorar a situação, a Inglaterra é um país muito próximo de Portugal que tem boa parte de seu território em zona litorânea, ou seja, seria impossível manter a marinha inglesa como inimiga.


Por outro lado, os franceses tinham um exército poderoso e estavam bem próximos da Península Ibérica, seria apenas atravessar a cadeia de montanhas conhecida como Pirineus, passar pela Espanha que o exército já entraria em Portugal. Dom João sabia que Napoleão seria capaz de fazer isso em pouquíssimos dias. Naquele tempo, Dom João era o príncipe regente de Portugal, já que a sua mãe foi afastada do cargo por conta de problemas psicológicos. Era responsabilidade dele tomar a decisão e orientar a política portuguesa. Não era uma escolha fácil… Esperto, ele usou de uma diplomacia dúbia para ganhar a maior quantidade de tempo possível. Dava indícios à França de que iria manter-se fiel a eles, mas por outro lado também dava a entender aos ingleses que estava pronto para não respeitar o Bloqueio Continental.


Esse tempo foi o suficiente para resgatar uma estratégia que já havia sido cogitada no passado. Transferir toda a corte portuguesa para o Brasil, terras que faziam parte do Império português e estavam distantes o suficiente da Europa para conservar a vida do rei e de toda a representação do antigo regime.


E assim foi feito. No dia 29 de novembro de 1807, a família real embarcou em 09 barcos em direção ao Brasil. Acompanhando as embarcações, haviam 4 navios militares ingleses que visavam defender o rei português.


Mesmo às pressas e deixando muita coisa para trás, Dom João conseguiu embarcar antes dos franceses invadirem de fato o território português. O povo se assustou ao acordar e receber a notícia de que o rei não estava mais no país e, para piorar, que Junot estava invadindo Portugal a mando de Napoleão Bonaparte.


Os brasileiros se alegraram de maneira festiva e explosiva quando depois de uma exaustiva viagem Dom João desceu do navio em Salvador.


No próximo artigo, vou analisar como foi o período Joanino e qual o impacto disso para o Brasil. Então continue acompanhando o meu blog.


Escrito por: Luiz Ottoni - Professor de História e TikToker

27 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


carlossarubide
Apr 26, 2022

Eu estou ansioso para o próximo artigo😄

Like
Post: Blog2_Post
bottom of page